Bem-vindo

Venha e junte-se a nós

  • Simples para publicar
  • Rápido feedback
  • Compartilhe com o mundo
/

Ou logue usando:

Esqueceu a Senha?

Capítulos (1 de 2) 11 Jul, 2019

Prólogo - Manuela

Um carro para em frente a uma casa. Um casal e sua filha descem. Colocam umas poucas malas no chão. A menina se aproxima do portão da casa.

- “Parece ser uma ótima casa...”

Seu pai:

-Então, querida? Manuela? O que acharam?

Sua esposa:

-Hm... Pelo menos, grande ela é.

-Não se preocupe querida, eu vou tratar de arrumar uma governanta.

-Não, não é disso que estou falando, homem! Não sei por que alguém deixaria uma casa tão grande e bonita como essa e sua igreja aparentemente tão prospera e se mudaria às pressas.

- Não vamos questionar querida. Ele teve seus motivos. E Deus tem seus planos. Quem sabe as quão boas coisas ele tem pra nós aqui. Comparado ao lugar onde morávamos, esse é uma verdadeira benção. E você Manu? O que me diz.

Manuela permanece calada.

-Acho que ela perdeu a voz. Vamos...

Entram na casa.

- Sim, está tudo muito bem cuidado. Tem até alguma mobilha.

Manuela sobe as escadas. Entra num quarto. Tem apenas um a cama e uma cômoda. Uma janela grande com cortinas. Sua mãe chega em seguida.

-Gostou? Tem mais dois quartos. Esse aqui pode ser o seu, se quiser.

Manuela olha pra sua mãe

-Mãe posso ser sincera?

-Claro você sabe que sim, querida.

-Eu não queria ter vindo. Eu não estou gostando desta casa. Não sei se vou gostar desta cidade. Eu só não disse nada, pra não chatear o papai. Ele está com tantas expectativas. Uma igreja nova pra ele...

-Filha... Eu sei que as mudanças sempre geram um incômodo, mas, é muito cedo ainda. Eu sei que você vai sentir falta de nossa igreja, de nossos amigos, de seus amigos do colégio... Mas, dê um tempo. Tenho certeza que tem pessoas maravilhosas aqui, e você vai se adaptar bem. Quanto a casa, olha que casa enorme! Nós nunca poderíamos comprar uma casa assim. E nos foi cedida por um tempo! Quem sabe até por muitos anos, isso é bom! Muito bom! Então...

-Tudo bem... Eu... Eu vou tentar.

-Você já conseguiu!

Manuela sorri.

-O que as duas mulheres da minha vida estão conversando? Eu posso saber?

-Nem pensar. Coisas de mulheres. Achei que tinha aprendido nesses 17 anos!

- Haha ... Você sempre me tira com essa né? Enfim se as duas senhoritas já tiverem encerrado a conversa, eu as convido pra podermos colocar as coisas em ordem. Quero visitar a igreja antes da noite...

Mais tarde...

Manuela, e seus pais chegam à igreja. Não é uma igreja muito grande. Mas também não é pequena. Um obreiro os espera na porta. Joel estende a mão.

-Boa tarde! Como vai?

-Boa tarde! Muito bem. O senhor é o Joel?

-Sim, sou eu!

-Oh! Pois seja muito bem vindo meu amado!

-Obrigado! Essas são minha esposa, Eliane, e minha filha Manuela.

-Pois bem, entrem, vou lhes mostrar as instalações...

Enquanto o rapaz conversa com seus pais, Manuela vê um rapaz cuidando das plantas. Aproxima-se.

Ele fala.

-Oi?

-O-oi..

-Tá tudo bem com vc? Parece pálida... Ou é sua pele mesmo?

-N-não! Quer dizer, sim! E-Eu sou assim mesmo!

-Ah.. Legal! Eu sou Paulo! Você deve ser Manuela, não é isso?

-S-sim! Como sabe?

- Ah, procurei investigar um pouco seu pai, quando soube que ele viria pastorear aqui. Então, o que está achando?

-Ah... É legal...

-Que bom que está gostando! Espera só até ver a galera da mocidade! Gente bacana. Ei, você gosta de cantar? Nos reunimos sempre que dá pela noite ali na praça.

-Sim, eu canto. Um pouco...

-Hmm... Você é um pouco tímida, não?

-Um pouco.

-Não! Você é muito tímida! (risos)

-Enfim Manuela, preciso continuar. Aposto que em pouco tempo, você vai estar mais solta.

- “Hm... Eu acho que não...”

-A gente se vê a noite.

-S-sim! Nos vemos! Tchau!

À noite...

Na igreja, o pai de Manuela está no púlpito, se preparando. Muitos bancos estão vazios. Algumas pessoas chegando. Manuela aproxima-se de 3 moças e dois rapazes.

-Posso sentar aqui com vocês?

Ninguém responde.

-Olá... Será que e-

-Olha, já que você ta perguntando... Não! Você não pode sentar aqui, tem um monte de bancos vazios, vai sentar sozinha em algum vai...

Manuela sai. Triste. Se encontra com Paulo.

-Olha só! Bom te ver de novo, Manuela!

-É né...

-Vem, não se reprima, vamos sentar ali com o pessoal.

-Não. Pode ir. Eu vou ficar por aqui mesmo.

-Ahh... Tem certeza?

-Tenho sim. Obrigado.

-Tá legal...

O culto começa.

-Irmãos, como foi anunciado, esta noite empoçaremos nosso novo pastor! Aqui está ele. Com muita alegria, recebamos Joel, nosso pastor!

Joel aproxima-se do microfone. Manuela olha em volta, vê o contentamento de alguns, e a indiferença de outros, enquanto seu pai se prepara para falar...

“Deus ajude o meu pai...” 

Compartilhar: