Bem-vindo

Venha e junte-se a nós

  • Simples para publicar
  • Rápido feedback
  • Compartilhe com o mundo
/

Ou logue usando:

Esqueceu a Senha?

Capítulos ( de 1) 05 Aug, 2018

Capítulo 5

Capítulo 5: O outro mundo

Quarta-feira, 13 de outubro de 2023, 6:24 h.

– Quem é aquela? – Yosuke estava em uma imensidão de puro branco, com uma garota se aproximando dele.

– Fique atento, Yosuke, a hora está chegando. – Disse a garota ao parar na frente dele.

Yosuke reconheceu Marietta, ela tinha uma enorme sombra monstruosa atrás dela, no chão.

– Marietta, o que é isso?

Ela apontou para trás de Yosuke, que ao se virar, viu um ser estranho, segurando uma lança com a lâmina de uma espada na ponta.

– Izami é meu nome. – disse o ser – Estou aqui para...

– Aaa!! – Yosuke saiu gritando de medo da criatura.

– Yosuke! Yosuke!

– Aaa!! – ele acordou ao cair da cama, com Yma ao seu lado – Foi um sonho... Ainda bem...

– O que você viu?

– Hum?

– Yosuke, o que você viu?!

– Uma garota com algum monstro atrás dela, s-sei lá, foi estranho.

– Não consegue dar mais detalhe?

– Não...

– Droga... – Yma suspirou decepcionada – Tudo bem.

Ele olhou as horas no despertador.

– É cedo ainda... Bom, se eu voltar a dormir, não vou conseguir acordar. Melhor já me arrumar. – Yosuke levantou e se arrumou para a escola, esperando Olivier acordar para irem juntos.

8:30 h.

– Yosuke! Está prestando atenção na aula? – Indagou a professora de biologia.

Yosuke estava distraído, lembrando de seu sonho.

– Hum? Ah! To sim!

– Então me responda. Quando tocamos em uma planta em desenvolvimento, o que acontece?

– Eerr... Ela para de crescer?

– Errado! Ela cresce mais rápido! Talvez seja assim com as pessoas também, não sei... Mas enfim, você errou! Preste atenção na aula!

– S-sim, professora.

9:52 h.

Logo que Yosuke saiu do banheiro, indo para o intervalo, Takuma o abordou.

– Yosu!

– E ai, Takuma.

– De boa. Cara, nós vamos almoçar na casa do Ynori depois da aula, já que ele tá com a casa liberada. Se quiser ir junto.

– Pode ser.

– Nos vemos mais tarde então. – Takuma saiu correndo pelo corredor.

– Você parece bem amigo do pessoal. – Comentou Yma.

– Os conheço há cinco anos. Antigamente eu passava quase o tempo todo com o Keny, Takuma e Ynori, mas as coisas mudaram um pouco desde que entramos no colegial. – Explicou ele enquanto seguia para o pátio.

– Yo-su-ke! – Riki deu um pulo na frente de Yosuke, caminhando de costas, de frente para ele.

– Como é que a Starling está, Riki?

A garota sorriu de canto.

– Como você é malvado, Yosuke! Me vê e pergunta pela outra! Oh! Que trágico! – Yosuke ficou fitando-a com estranheza. Ela deu uma risadinha – Brincadeira a parte, a Star tá melhor. Ela ficou sabendo o que tu fez com o carinha no pátio.

– É. Foi sorte não ter ficado nenhuma marca no meu rosto.

Yma o cutucou com o braço.

– Sorte? Eu que te curei, mal agradecido. – Yosuke apenas riu sem poder respondê-la.

– Eu queria te perguntar uma coisa. – Disse Riki, parando em frente a ele.

– Diga.

– No final do mês vai ter o teste e estamos formando um grupo de estudos... Quer participar? Nos encontraremos todo dia depois das aulas a partir da semana que vem.

– Hum. Por mim tudo bem, vai ser divertido.

– Não é para ser, já que será para estudar. – ela saiu rindo – Até, Yosu! – Ele acenou se despedindo, seguindo seu caminho.

Andando pelo pátio, indo em direção a Shy sentada com Marietta embaixo de uma árvore, um garoto esbarrou no ombro de Yosuke, seguindo reto lendo um livro.

– Ei! – Yosuke virou encarando o garoto, mas ele não desviou os olhos do livro.

Yosuke ficou o olhando partir, mas logo foi até as duas garotas, sentando com elas.

– E ai gatinho. – Shy se abraçou no braço de Yosuke.

– Quem é aquele carinha que acabou de passar por mim? Nunca o vi antes.

– É aluno novo, foi transferido essa semana para a minha turma. – Explicou Marietta.

– Que estranho.

– Você não sente nada de Yagami? – Marietta ficou encarando Yosuke.

– Sentir o quê? É a primeira vez que o vejo.

– Não notou nada de especial?

– Mari... Já chega. – Disse Shy, pela primeira vez séria.

O trio ficou em silêncio em um clima desconfortável.

12:58 h.

Yosuke almoçava com o trio de amigos na casa de Ynori.

– Vocês viram o treino do time feminino de vôlei? Cara, que sonho. – Disse Takuma.

– Nem me fala. As garotas usando shortinhos apertadinhos realçando bem a bunda e as coxas. Fico babando só de imaginar. – Disse Keny.

– A irmã do Ynori também é do time. Não quer ir no quarto dela ver as coisas… Cês sabem. – Sugeriu Yosuke, fazendo os três ficarem com uma careta de surpresa.

Depois de comer, os quatro foram para o quarto da irmã de Ynori.

– Ei, Ynori, é verdade que tu se veste com as roupas da tua irmã as vezes? – Indagou Takuma.

– Ah... Bem... As vezes, só para ver como fica. – Confirmou, tímido.

– Deixa a gente ver! – Takuma se empolgou.

– Quê?! – Ynori gelou.

– Ah, qual é! Nós crescemos juntos! O único que não cresceu na cidade foi o Yosuke! – Insistiu Takuma.

– Eu espero lá fora. – Yosuke saiu do quarto.

13:10 h.

– Pode entrar! – Gritou Takuma.

Yosuke entrou no quarto, Ynori estava ajoelhado no chão, tapando o rosto de vergonha por estar usando a saia do uniforme da irmã. Takuma e Keny o analisavam com os olhos.

– Se botar uma peruca, dá pra confundir com uma garota... – Disse Keny.

– Chega né?! – Ynori levantou.

Takuma riu.

– Cara, imagina se alguém ver isso além de nós? Tu taria ferrado, Ynori.

– C-cala boca! – Ynori tirou a blusa, revelando estar de sutiã, que não conseguiu abrir para tirar.

Takuma pegou uma calcinha na gaveta e deu uma cheirada, mas bem na hora a porta do quarto abriu. Todos os quatro gelaram.

– O que vocês estão fazendo... – A irmã de Ynori havia voltado mais cedo do treino. Ela viu o irmão vestindo as roupas dela e arregalou os olhos, saindo correndo pelo corredor.

– E-ei! – Takuma saiu atrás dela.

Keny olhou para Yosuke.

– Vamos também. – Os três correram atrás da irmã do Ynori.

– Não vem! – Disse Takuma em frente a porta do banheiro. Yosuke parou, mas Keny insistiu em entrar, se deparando com a garota vomitando ajoelhada em frente ao vaso sanitário.

– Que nojo... – Repudiou ele.

13:20 h.

Com a garota mais calma, todos sentaram juntos na sala. Ynori tinha o olhar baixo, envergonhado, enquanto sua irmã mantinha a expressão de braba.

– Por qual motivo você estava usando minhas roupas e seus amigos estavam fechados no quarto com você, Yn? – Ela encarava a todos.

– E-espera ai Aline! Não é nada disso que tu tá pensando! – Desesperou-se Takuma ao entender o que ela estava insinuando.

– Nós estávamos apenas curiosos sobre... – Keny parou na metade da frase, repensando suas palavras.

– E você?! – Ela encarou Yosuke.

– Vim passar um tempo com o pessoal, fazia tempo que não saíamos juntos. Sobre o Ynori usar suas roupas, bem, foi uma aposta que fizemos entre nós e ele perdeu.

Ela ficou o encarando por um momento, mas logo sorriu.

– Por que não disseram antes! Se eu soubesse teria tirado uma foto e enviado para todas minhas amigas! – Ela riu com a ideia.

– É claro que foi uma brincadeira! – disse Takuma, aliviado – Até parece que o teu irmão vai usar tuas roupas! Puff! É loucura pensar isso.

O celular de Yosuke tocou.

– Licença pessoal. – ele saiu da sala e atendeu – Quem é? – Era um número oculto.

– Yosuke, estão por perto, fique atento.

– Marietta? – Desligaram. Ele achou a voz muito parecida com a de Marietta. Por fim voltou para a sala, onde ficou conversando com seus amigos e Aline.

14:06 h.

– Vamos jogar o teu jogo novo, Ynori? – Sugeriu Keny, empolgado.

– Vamos! – Concordou ele.

Yosuke levantou.

– Eu tenho que ir embora pessoal, tenho que fazer umas coisas hoje ainda.

– Ah, ok então. Até amanhã, Yosuke. – Disse Keny.

– Até. – Ele se despediu e foi até a porta da frente, abrindo-a, mas ao sair, foi parar em outro lugar. Estava em uma floresta negra com as árvores sem folhas, o céu negro tinha uma aura roxo escuro parecendo um lençol voando ao vento.

– Por que estamos aqui?... – Yma parecia assustada.

– Isso não é um sonho, não é? – Indagou Yosuke, ainda mais assustado.

– Não...

Logo várias pessoas sem olhos, tendo apenas os buracos, a boca sem dentes escorrendo sangue, flutuando no ar sem ter pés e com garras afiadas, surgiram em frente a Yosuke, se aproximando.

– O que são essas coisas?!

– Almas atormentadas... Estamos em um lugar do outro plano onde as pessoas más são jogadas e punidas por todas as maldades que fizeram quando em vida. Quanto mais maldades, maior é a intensidade e o tempo de punição, podendo a pessoa mais cruel ser condenada a ser punida pela eternidade.

– Do que você está falando, Yma?!

– Tsc! Esquece o que falei, estou me sentindo estranha nesse lugar!

– O que vamos fazer?! – Yosuke tremia, olhando para todos os lados.

– Vou buscar ajuda! – Yma passou correndo por entre os seres, que a ignoraram.

Yosuke olhou em volta, avistando uma pequena trilha de terra mais ao lado.

– Tudo ou nada! – Saiu correndo em direção a trilha, sofrendo três cortes das garras de um dos seres ao passar por ele, conseguindo escapar.

Ao chegar na trilha, a seguiu, correndo, com diversos olhos vermelhos surgindo na névoa que se formou ao lado, deixando apenas a trilha clara.

– Sakuia... – Sussurravam as vozes ao lado.

Ele correu até cansar, parando ofegante e quase chorando ao perceber ter voltado para o ponto inicial, com os sete monstros fantasmagóricos com garras, parados a frente dele na beira do caminho.

– Não... Não... Droga!! – Seus olhos se encheram de lágrimas de terror.

– Koda... – Sussurraram as vozes.

Yosuke deu um pulo e se tremeu todo ao sentir algo lhe tocar o ombro.

– Está com medo? – Indagou o jovem de cabelo castanho longo, amarrado em rabo de cavalo para trás.

– Q-quem é você?!

– Eu que te pergunto, quem é você? Akamura?

– A-Akamura?

– Sakuia...

– Koda... – Sussurravam as vozes.

– E-e-eu sou Yosuke! Por favor, sabe como sair daqui?!

– Como conseguiu entrar se não sabe sair?

– Sakuia...

– Koda...

– CALEM A BOCA!!! – Esbravejou o jovem estranho, olhando para os olhos vermelhos em meio a névoa, que desapareceram, sobrando apenas os seres com garras na beira da estrada mais a frente.

– Eu não sei como vim parar aqui.

O jovem desembainhou a katana que tinha em mãos, cravando a ponta de leve no pescoço de Yosuke, fazendo um filete de sangue escorrer.

– Hum. Você não está morto... Ainda.

Yosuke estava com tanto medo que não reclamou sobre o estranho ter lhe espetado com a ponta da espada, ele apenas queria sair daquele lugar.

– Pode me ajudar... Por favor, estou implorando.

– Por que o medo? Enquanto estiver na trilha eles não podem lhe tocar. – ele acenou com a cabeça em direção aos sete monstros – Mas esse lugar drena sua força espiritual e vital, quanto mais tempo passa aqui, mais rápido você está morrendo. Claro, com bastante treino e determinação você se adapta, não sofrendo mais tanto os efeitos negativos desse lugar.

– E que lugar é esse?

– Aqui é...

– Yosuke! – Yma apareceu na beira da estrada.

– Yma! – Yosuke correu até ela, mas quando ele saiu da estradinha, os monstros avançaram em sua direção.

Antes que pudessem chegar até ele, o estranho os derrotou com sua espada, não dando chance de atacarem.

– Fracos... – ele se virou para Yma e foi indo em direção a ela – Agora só falta um.

Yosuke se colocou na frente dela.

– Não toque nela! Por favor... – Ele sabia que não teria como deter o estranho espadachim caso ele resolvesse atacá-los.

– Você está protegendo essa coisa?

– Ela é a minha fada madrinha!

– Sua... Fada madrinha? – o estranho começou a gargalhar, guardando a espada – Vou lhe deixar viver seu conto de fadas então. Mas tome cuidado com este ser. Se entrar aqui novamente e não souber sair, basta fazer este símbolo e concentrar seu karma. – ele fez um símbolo no chão usando o pé – Até logo, carinha da fada madrinha. – Ele entrou em meio a névoa, desaparecendo.

– Vamos Yosuke, vou nos tirar daqui. – ela pegou a mão de Yosuke e foram até o símbolo, parando em cima dele – Feche os olhos.

Yosuke fechou os olhos, e quando os abriu novamente, estava na calçada em frente a casa de Ynori.

– Falou Ynori.

– Até mais Keny, Takuma. Valeu pela companhia.

Takuma e Keny saíram da casa de Ynori, encontrando com Yosuke na calçada.

– Yosu? Voltou? – Indagou Takuma, estranhando.

– Hum? – Yosuke olhou a hora no celular – Não pode ser... – Ele saiu correndo para casa, que ficava a 15 minutos da casa de Ynori, deixando os dois jovens sem entenderem nada.

18:11 h.

A caminho de casa, Yosuke encontrou com Shy logo adiante, indo em sua direção.

– Yosu!! – Ela pulou no pescoço dele, abraçando-o.

– Shy, o que faz aqui?

– To voltando da tua casa. O Olivier disse que tu não tava em casa, ai eu tava indo embora. Foi sorte te encontrar pelo caminho!

– Você geralmente não vem aqui em casa, o que deu?

– Ah, eu queria te perguntar se posso posar contigo hoje. É que estou pintando minha casa e o cheiro está muito forte.

– Ela está mentindo. – Disse Yma.

– Pode, claro! – Concordou Yosuke.

– Yosuke! Ela está mentindo! – Yma não gostou.

– Obrigada!! – Shy beijou Yosuke de forma quente e demorada, com suas línguas se enrolando dentro da boca dele enquanto ela descia a mão pelo peito do jovem até apertar seu ponto fraco.

Um fio de saliva manteve as duas bocas conectadas logo que afastaram os lábios, mas logo se partiu.

– Vamos para casa. – Yosuke colocou o braço em volta do pescoço de sua namorada, enquanto ela o envolveu pela cintura.

18:25 h.

Ao chegar em casa, Olivier estava sentado no chão da sala com uma espada katana a sua frente.

– Yosu, foi você que encomendou isso? – Indagou ao ver Yosuke entrando na sala.

– Hum? – ele olhou para a espada com estranheza – Eu não. Dá um fim nisso antes que alguém descubra e nos encrenquemos com a polícia.

– Vou ver o que faço. Ah! Hoje a noite não vou dormir em casa, vou sair com a Kyo.

– Decidiu dar uma chance para a garotinha tímida? – Disse Shy com um sorrisinho maldoso.

– Hoje eu vi ela no treino do time de natação, até que dá um caldo.

– Homens. – Shy deu um beijo em Yosuke e foi em direção ao quarto – Já vou me ajeitar e escolher um filme para vermos online, tá bom?

– Certo, vai lá gatinha. – Yosuke deu um tapa na bunda dela quando ela passou, juntando-se em seguida a Olivier, sentando ao seu lado no chão – Agora fala aqui pra mim. Vai dar uma chance mesmo pra Kyo ou tá só pra derrubar a carne?

– Não, Yosu, dessa vez eu acho que vou fazer algo de verdade. Ela é uma garota legal e a conheço a muito tempo para ser apenas sexo e depois largá-la de lado.

– Hum. – Yosuke ficou olhando-o de canto, desconfiado.

Olivier riu sem graça.

– É sério pô! Eu... Realmente estou pensando em ter alguém ao meu lado e dar um fim na minha vida de sacanagem.

– Fico feliz por ti cara. A Kyo é uma garota gente fina. – Disse ele dando dois tapinhas nas costas do amigo.

– Valeu.

Yosuke levantou.

– Agora dá um jeito nessa espada.

– Ei!

– Hum? – Yosuke parou.

– Pega. Experimenta. – Olivier alcançou uma camisinha sabor tequila com limão para o seu amigo.

– Cara, onde tu achou isso?

– O pai de um conhecido do terceiro ano trabalha na capital e lá vende essas paradas bizarras. Ele recebeu vários pacotes do pai dele, então vendeu algumas pra galera.

Yosuke pegou.

– Valeu.

– Bom divertimento.

– Pra ti também. – Yosuke foi até o seu quarto, mas parou antes de abrir a porta – Acho melhor você ficar fora do quarto hoje, Yma. – Sussurrou ele.

Ela saiu emburrada, voltando para a sala, sem falar nada. Yosuke entrou no quarto, Shy estava sentada em frente ao computador, usando uma camisa do namorado, que ficava comprida nela.

Por fim escolheram um filme e assistiram deitados juntos. O filme contava a história de amor entre um jovem sedentário que se apaixonou por uma garota virtualmente e fez de tudo para conhecê-la, mas ela morreu em um acidente de carro indo ao primeiro encontro pessoalmente deles. No final do filme, o chat dele sobe com a mensagem da garota morta dizendo: “Estarei sempre com você”. Terminando assim.

20:42 h.

– Bom bom não foi, mas foi bom. – Disse Shy, virando-se para Yosuke.

– Eu gostei. Curto histórias de fantasmas.

– É? E isso, será que você... – ela colocou a mão por dentro da calça dele – Curte?

Yosuke dei uma risadinha sacana.

– Adoro...

– Que tal irmos além... – Ela subiu em cima dele, deitado na cama., com o garoto fechando os olhos, sentindo a pele da namorada contra a sua.

Quando Yosuke abriu os olhos, viu Shy com uma face monstruosa, jogando-a para fora da cama.

– Gaa!! – ele levantou correndo e ligou a luz, clareando o quarto que antes era iluminado apenas pela luz do monitor – O que você!... – ficou confuso ao ver Shy no chão, com o rosto normal – Mas o que...

– O que foi isso?! – Levantou ela furiosa.

– A-ah... Eu...

– Se não tá afim é só dizer, não precisava me machucar!

– Shy, eu... Desculpa.

Ela deitou na cama, bem no canto.

– Vou dormir, perdi a vontade! Boa noite!

– Boa noite... – Yosuke apagou a luz e deitou, ficando olhando para o teto, confuso, demorando a adormecer.

Na sala, Yma estava com uma garota de cabelo vermelho, nem um pouco feliz.

– Ele poderia ter me matado, Inomine! Ele parou apenas porque Yosuke interviu por mim!

– Entendo sua preocupação, Yma, mas a falha foi sua em permitir que a escuridão Yami o pegasse.

– Não tinha como evitar! Estava próxima demais quando a percebi! – ela suspirou pesadamente – Ainda não acredito que o garoto Koda está treinando diretamente em nosso mundo, aniquilando as almas e impedindo-as de renascer.

– Eu lhe alertei sobre o ódio que ele carrega no coração.

– E não enviou ninguém para tentar apaziguá-lo?

– Já enviei duas de nossas irmãs, mas ele matou as duas. A coragem desaparece da alma daqueles igual a nós quando referente ao garoto Koda.

– E o garoto Akamura?

– Continuamos incapaz de tocá-lo. Além do mais, quando finalmente o encontramos fisicamente e um de nós tentou interagir com ele diretamente, o espírito que o serve destruiu o nosso irmão. Não há como nos aproximarmos mais dele, já que possuiu um espírito ao seu lado agora.

– O jovem Koda pode ser tocado pelo nosso mundo, já que passa bastante tempo nele. Se juntarmos os mais poderosos de nós...

– E o seu garoto, como está indo?

– Sinto a presença dos corrompidos constantemente o rodeando, assim como uma pressão espiritual. Acredito que não sou a única de nosso mundo próxima a ele.

– Tome cuidado, apenas um dos três podem impedir que os planos de Yama sejam atrapalhados. Se os três se juntarem a Yami, estará tudo acabado.

– Farei o meu melhor para protegê-lo e guiá-lo ao baile.

– Não somos guerreiras, mas seu poder pode ser necessário quando a hora chegar.

– Eu sei. Estarei pronta.

– Muito bem, Yma. Faça sua parte e deixe o resto com Aizen, ele já está aqui.

– Eu sei.

– Essa é a última vez que nos veremos antes do...

– Inomine, não se preocupe. Yosuke não sucumbirá a escuridão. Ele ficará ao nosso lado e ajudará Yama.

Inomine sorriu e desapareceu. Yma deitou no sofá, pensativa. O baile estava cada vez mais próximo.  

Compartilhar: