Bem-vindo

Venha e junte-se a nós

  • Simples para publicar
  • Rápido feedback
  • Compartilhe com o mundo
/

Ou logue usando:

Esqueceu a Senha?

Capítulos (1 de 1) 21 Jan, 2021

Capitulo 1 - O trem colmeia

Uma garota de cabelos loiros estava olhando para a lua enquanto estava sentada na ponta de prédio. Seus cabelos iam até a altura de seu antebraço. Seu sorriso parecia com a de um tigre. Ela usava moletons pretos que estavam abertos. Por dentro uma blusa branca que não possuía estampa. Suas calças eram grandes bermudas verdes que iam ate um pouco abaixo de seu joelho. Meias brancas e um tênis all-stars um pouco vermelhos. Ela também possuía óculos bem arredondados. o nome dessa garota era Kuroe Hikaru.

“Hoje parece que vai ser interessante”

Kuroe disse enquanto observava a cidade. Ela se levantou do lugar cuidadosamente. Antes de sair ela continuou observando durante um tempo. Ela fixou seus olhos em algum lugar. Ao julgar pelos seus olhos parecia que ela estava olhando para o trem que passava sobre uma ponte da cidade.

Mas por algum motivo de uma certa parte do trem estava saindo uma luz um pouco que estranha. Mas nenhuma pessoa que passava pela cidade parecia notar, era quase como se elas não fossem capazes de enxergar aquilo.

“Você tem coragem de aparecer de maneira tão escancarada assim, Gaki maldito”

Kuroe disse apoiando seu pé esquerdo sob o pequeno murinho do prédio.

“Então vamos começar”

Ela saltou ate chegar em outro prédio, e dele ele pulou para outro prédio, e continuou fazendo isso até chegar naquele trem.

***

“Aonde estou?”

Disse uma garota de longos cabelos rosas, que eram um pouco espetados. Em sua cabeça ela usava um tipo de óculos de motoqueiro. Suas blusas eram pretas, mas no final dela tinha abertura deixando seu umbigo amostra. Em suas mãos ela usava luvas pretas do tipo mitenes, aquelas típicas luvas que faltava a parte dos dedos. Curtos shorts jeans da típica cor cinza, mas nesse mesmo short tinha um cinto colocado de forma diagonal aonde a ponta fica para a direita, nele tinha algumas munições de pistola, mas pela aparência parecia ser de calibre grande, e do lado uma bolsa que parecia fazer parte do cinto. Na perna direita havia uma cinta enrolada. Ela calçava pequenas botas de couro. Seu visual era bastante bonito, não só seu visual, mas também sua aparência.

Provavelmente ela era uma das passageiras daquele trem. Mas o lugar não parecia em nada com o interior de um trem. O lugar tinha uma aparência muita parecida com um ninho de uma Aranha. Ao acordar ela notou que tinha uma pistola do tipo Remigtom 1875, sua munição possuía 4,5 mm.

Ela se levantou lentamente. Ainda um pouco tonta. Ela não se lembrava muito bem o que tinha acontecido.

“Minha cabeça”

Ela colocou a mão na cabeça enquanto apoiava a parede em que estava encostada com a outra. Ela sentiu algo se aproximando, e quando olhou para frente algo estava para lhe atingir. Graças aos seus reflexos rápidos ela acabou saltando para o lado, se não fosse isso ela teria sido atingida. Em sua frente estava algumas aranhas que eram maiores que uma aranha normal, talvez se ela fosse comparar seu tamanho com a delas elas chegariam ate sua cintura, isso se ela não ficasse sob duas patas.

“Aranhas?”

Ela disse quando as percebeu. Ela segurou seu revólver com as duas mãos e começou a mirar nelas. As aranhas começaram a andar em sua direção enquanto atirava teias e faziam uma risada muito grotesca, era como se alguém estivesse tentando tocar um contra baixo usando luvas de borracha.

Eram aproximadamente seis aranhas. Todas elas cuspiram teias. A garota apenas pulou para o lado e então atirou na primeira. Normalmente uma arma não funcionaria, mas pela prata das balas dava para se notar que não era uma arma normal, talvez fosse algum tipo especial de arma feito para caçar vampiros ou qualquer tipo de monstro que quem estivesse usando encontrasse. Antes da segunda teia a atingir ela pulou para um canto e então atirou na segunda. Ela correu em direção a terceira e deu um chute do mesmo jeito que um jogador de futebol chutaria a bola. Aranha vou para cima, e com um tiro a garota a finalizou. Agora só restava mais três aranhas. Com o pouco de inteligência que uma das aranhas tinha, percebeu que ficar jogando teia da mesma forma que um garoto ficaria atirando com algum personagem de longo alcance em algum jogo de luta faria quando notasse que não era capaz de vencer seu adversário faria, então ela apenas começou a correr em direção da garota, mas com um tiro bem no olho ela foi morta. O tiro foi tão preciso que atravessou ela e acertou uma das pernas da que estava trás. Com outro tiro a garota matou a aranha que estava com a perna debilitada, a matando. Agora só sobrava mais uma. Para quem já tinha matado cinco aranhas gigantes dessas, matar só uma não seria problema. Mas a aranha parece que tinha começado a ignorar a garota, e olhar para um túnel gigante. Esse mesmo túnel parecia ser a única saída daquela sala. A garota se perguntava por que a aranha a estava ignorando. Foi então que começou a ouvir passos. Eram passos de alguém que estava correndo, e pelo som que fazia parecia ser de algum tênis, sapato, bota ou algo do tipo. Então era algo humano ou pelo menos parecia ser algo humano. A garota não sabia se mirava na aranha ou prestava atenção na pessoa que estava correndo em sua direção. Mas de qualquer forma ela estava em estado de alerta.

***

Kuroe tinha acabado de entrar no trem, mas o lado de dentro era meio que estranho. Parecia algum tipo de comedia, o lugar estava cheio de teias e corpos mortos. Mas não dava para verificar quantos deles estavam vivos.

Ela caminhou pra um dos tuneis de forma aleatório. Ele sabia que não adiantaria escolher pois ele certamente acabaria ficando perdido alguma hora nesse labirinto.

Ao entrar ele viu aranhas de tamanho imenso, que talvez chegariam até a altura de sua cintura. Ela fechou os olhos por um momento e respirou fundo. Após dar um sorriso que poderia ser ate assustador de certa forma, ela abriu os olhos novamente. Kuroe começou correr em direção daquelas aranhas como se elas não fossem nada. Naquela entrada tinha aproximadamente 10 aranhas. O mistério dos corpos estava resolvido, mas ela tinha que agora lhe dar com aquelas aranhas.

“SAIM DA FRENTE!!! MEROS FANTASMAS NÃO PODERÃO ME PARAR!!”

Ela gritou de uma forma que a fazia parecer com um demônio. A primeira que entrou em seu caminho ela apenas socou, um soco tão forte que fez a cabeça dela estourar. A segunda ela chutou. A terceiro ela saltou dando um soco no ar. A terceira ela apenas arremessou na quarta, e então deu um chute tão forte que as matou. A quinta e a sexta atacaram juntas, Kuroe deu um soco, e desviou do ataque da sexta, e então deu um chute que mandou para longe. A sétima, oitava e nona ela atacou com socos. Ela já estava no final do túnel, e só restava a última daquelas aranhas, então ela decidiu pega pelas pernas daquela aranha e arremessou para o final do túnel. Mas Kuroe percebeu uma coisa, no final tinha outra aranha os observando, e como ele tinha arremessado o que ele julgava ser a última, essa aranha no final do túnel acabou sendo atingida. E com um chute ele acabou matando as duas.

“NÃO SE ESUQEÇA EU SEMPRE ESTOU EM MEU CLIMAX, MEROS FANTASMA NÃO CONSEGUIRÃO FAZER NADA NEM SE PASSAREM MIL ANOS!!”

De forma escandalosa Kuroe gritou. Mas ao se virar um pouco pro lado ele acabou vendo que tinha uma garota de cabelos rosas que segurava uma arma na mão. Ao perceber Kuroe foi em sua direção se aproximando bastante seu rosto no da garota.

“Quem é você!?”

De um jeito que fazia ela parecer um delinquente, ela perguntou deixando a garota um pouco assustada.

“Esse cheiro...”

A garota disse ao sentir um cheiro vindo de Kuroe, um cheiro que pessoas normais não conseguiriam sentir.

“Você é um demônio?”

“Oh! Para uma humana você parece bem inteligente”

A garota sacou sua arma, e mirou em direção ao rosto de Kuroe. Ao aperta o gatilho um grande barulho foi soado. Por mais que Kuroe estava bem na sua frente, por algum motivo ela conseguiu desviar.

“Por que você não abaixa essa sua ar...”

Antes que pudesse completar o que estava tentando dizer, algo atingiu. Ela nem pôde ver o que era, e foi arremessado alguns metros à frente.

“EI! SUA MÃE NÃO TE ENSINOU ESPERAR ESPARAREM TERMINAR DE FALAR NÃO!!?”

Quando Kuroe se levantou para ver quem tinha lhe derrubado ela viu uma grande aranha. Mas essa era bastante diferente das outras, e muito maior também. Suas pernas não pareciam as de uma aranhar qualquer, parecia muito mais com pernas humanas. E ao invés de 8, tinham 10. Da cintura para cima parecia um corpo quase completamente humano, quase como um centauro, porem ao invés de metade cavalo, era metade aranha. Acima de seus olhos tinhas mais alguns pequenos olhos. Seu cabelo era rosa, mas amarrado em um tipo de rabo de cavalo. E atrás, nas proximidades de sua banda, tinha um grande abdômen de aranha que tinha uma cor branco com a parte de baixo preta.

“Mas que diabos é isso?”

A garota disse, enquanto apontava sua arma para aquilo.

“Mas que reação é essa? Até parece que é a primeira vez que você entra em um labirinto de um demônio”

Kuroe disse enquanto se levantava e tirava a poeira de suas roupas. A grande aranha por um momento começou prestar atenção em Kuroe.

“Você... o que um demônio está fazendo aqui?”

“Vamos cortar o papo clichê de sempre, você já deve ter uma boa ideia o do porque eu está aqui?”

Kuroe disse mostrando um olhar de tédio. A grande aranha apenas sorriu.

“Então é isso que você realmente quer?”

“...”

Kuroe não respondeu.

“Então antes de te fazer minha presa, deixe-me fazer uma pergunta, por que desafiar outro demônio?”

“Obviamente é para proteger essas pessoas”

Quando Kuroe disse isso, tanto a garota que estava ali, quanto a grande aranha se assustaram com o que ele tinha dito.

“Um demônio que protege humanos? Eu já vi muitos tolos, mas você é o mais tolo entre todos eles!”

Kuroe não reagiu a provocação da aranha.

“Agora me deixe fazer uma pergunta, esse labirinto, ele pertence a você, não é?”

“Sim, esse é o meu labirinto”

Kuroe soltou um pequeno sorriso.

“Isso me poupou trabalho, qual seu nome?”

“Spaimomo”

“Certo!”

Kuroe disse abrindo um sorriso em seu rosto. Ela começou a correr em direção aquela grande aranha. Quando ele se aproximou, ela tentou o atacar com suas pernas a pisoteando, mas ele se esquivou passando entre elas chegando ate seu rosto, e a acertou com um chute bem um cheio fazendo-a arrastar alguns metros para trás.

Ao acertar com o chute ele deu um impulso para trás como se tivesse um chão invisível no ar.

“Spaimomo, esse será seu último ritual!”

“Seu desgraçado! Não fique se achando!”

Spaimomo fez um rosto de enojada. Ela atirou teia que acabou prendendo nos pés de Kuroe. Ela começou girar essa teia fazendo Kuroe bater nos arredores. Um tiro foi ouvido, e um disparo atingiu a teia bem ao meio a desfazendo.

“Você é mais útil do que aparenta ser, garota!”

Kuroe disse ao se levantar, e perceber que aquele disparo foi dado por aquela garota.

“Sasha”

“Um nome bastante interessante, eu me lembrarei dele”

Tentando interromper a conversar, Spaimomo atirou várias teias em que o formato se assemelhava com tiros de uma arma de fogo. Kuroe novamente desviou.

“Parece que você realmente não tem bons modos”

A garota que se chamava Sasha começou a disparar vários disparos na perna da aranha. Por mais que lhe causou algum dano, parecia que ela era bastante resistente, então não iria funcionar.

Kuroe tentou acertar um soco no rosto de Spaimomo, mas com uma força assustadora ela agarrou o braço de Kuroe e arremessou para o chão. Sasha começou a mirar no rosto de Spaimomo. Seu movimento atraiu a atenção daquela aranha.

Ao receber os disparos, Spaimomo andou alguns passos para trás mostrando que aquilo tinha lhe causado alguma dor. Quando ele se virou para frente, Kuroe estava pulando em direção ao seu rosto. Spaimomo planejava fazer a mesma estratégia de antes. Mas quando ela estava próxima a sua cabeça...

“Espada de doze travas!”

Kuroe gritou, e uma Katana de lâmina negra surgiu em suas mãos. Spaimomo tentou usar suas pernas extremamente resistentes para observar o ataque. Ela colocou de suas pernas em sua frente, mas foram facilmente cortadas pela espada de Kuroe fazendo a aranha perder o equilibro por causa da ausência das pernas. Agora só lhe resta sete pernas.

“Seu desgraçado!”

Spaimomo disse enquanto saia sangue das partes decapitadas.

“Eu realmente queria levar isso mais relaxada, mas você não me deixa escolha! Por isso que não gosto de enfrentar demônio grandes”

De forma relaxada, Kuroe a provocou.

“SEEU!!!”

A aranha gritava enquanto partia para cima. Mas os disparos de Sasha a pararam a fazendo recuar para trás. Quando ela olhou para sua frente Kuroe já estava lá. Com um corte vertical ele a partiu ao meio. Ela se dividiu em duas e sangue começou a jorrar.

Aquele labirinto que parecia um grande túnel cheio de teia, que se assemelhava com uma colmeia de uma aranha foi desfeito. O trem voltou a ser a como era antes. As pessoas com a exceção de Sasha não pareciam se lembrar do que tinha acontecido, algumas delas ate se lembrava vagamente, mas pra elas era como se fosse um tipo de sonho.

Após alguns minutos aquele trem chegou a uma estação. Em um dos vagões saiu de Kuroe, e de outro Sasha.

“Passagem gratuita, até que matar esses demônios tem seu lado positivo!”

Kuroe disse para si mesmo enquanto olhava para aquela grande multidão e andava em direção a saída. 

Compartilhar: