Bem-vindo

Venha e junte-se a nós

  • Simples para publicar
  • Rápido feedback
  • Compartilhe com o mundo
/

Ou logue usando:

Esqueceu a Senha?

Capítulos (2 de 24) 27 Jul, 2020

40 - 42

estudado tudo aquilo antes, ao mesmo tempo fazendo anotações em folhas avulsas ou marcando palavras-chave em rosa, Susana notou que de vez em quando ela olhava em sua direção, quando Morgana fez menção de retrair a mão estendida, ela a segurou.

 - A anatomia turra permite a projeção de escudos de diversos tipos, além de curas, selos, aumentar a força física ou resistência do usuário ou da dupla - Morgana havia deixado as anotações para apoiar a bochecha em sua mão, enquanto encarava Susana –, quais reações ocorrem dentro do corpo antes e depois de utilizar o poder? Eis a questão.

 Morgana era a líder da turma. Susana se lembrava quando os alunos da turma se encontraram pela primeira vez, Morgana havia chegado semanas depois mas já era alvo de comentários, algo sobre a família ou sobre status, nada que fosse do conhecimento da garota de cabelos verdes, que vinha de uma cidade do interior e não sabia desses assuntos. O que ela sabia era que, apesar de ter um físico de uma amazona, Morgana era normal, o que em um ambiente cheio de pessoas com asas, escamas, caldas, cabelos e olhos de cores diversas, cabelos pretos e olhos castanhos tão simples não eram um bom sinal.

 Apesar disso, a moça mais alta andava como se ela houvesse nascido com o direito de reinar sobre todos ali. Para a raiva de muitos, e para a confusão de Susana, que via apenas tristeza nos olhos castanho-claros.

 - É para aumentar minha resistência – a voz de Morgana despertou Susana de seus devaneios, mas não ajudou em nada a esclarecer o que estava acontecendo ali. Morgana apertou a mão da outra levemente –, eu sempre exagero nas pesquisas, eu gosto, mas é cansativo.

 - Mas meu poder não é do tipo burst...

 - Eu sei – Morgana deu uma risada nervosa –, gostaria de almoçar comigo?

 Susana olhou para a colega sem entender a situação. Morgana não era conhecida por ser amigável, muito pelo contrário, então todo


 

                                                           -  40  -



aquele contato físico, e olhar de relance, e convidar para almoçar junto, quando Susana sabia que Morgana costuma almoçar com dois alunos de outras turmas.

 - Eu almoço com o meu irmão.

 - Bem, isso não é um não – Morgana a encarou. Susana continuava atônita, mas resolveu não desviar o olhar. Os olhos caramelo da colega eram algo que Susana não entendia, se ela olhasse bem veria um mar de carinhos e afetos que prometiam jardins de tulipas vermelhas, mas as tulipas desbotavam em um amarelo triste e eram então engolidas por um oceano profundo e frio que não falavam nada além de solidão.

 - Você poderia almoçar conosco? – Susana decidiu –, se você quiser.

 - Adoraria.

 Foi mais fácil do que Morgana havia imaginado. Durante o almoço ela perguntou Susana sobre a cidade natal dela, e então Susana desatou a falar como a colega nunca havia visto antes. Augusto era a exata imagem que Morgana havia pensado, introvertido e irritadiço, meio desleixado, o oposto da irmã.

 Mais tarde, ao chegar em casa, Morgana mandou mensagem para Susana, e depois de um – ou três – horas de conversa, ela pediu o número de Augusto, para o que Susana brincou se Morgana estava interessada em seu irmão, e Morgana explicou que ela tinha interesse em programação, e queria algumas dicas com Augusto, visto que ele era um dos melhores alunos da turma, e isso foi o suficiente. Foi de fato fácil demais.


                                                                 ***

 - Quando vai me arranjar um horário na sua agenda? – Davi brincou ao alcançar Morgana em frente ao portão da Setemptrionalem.

 - Achei que seus horários já estavam todos reservados para Pedro.

 - Ai. Que dor! Acho que seu sarcasmo está perfurando meu coração! – Davi encenou de forma dramática estar sendo apunhalado e Morgana desatou a rir.


                                           

                                                               -  41  -



 - Sério Davi – Morgana o repreendeu, mas como ele dirigiu sua marca registrada de ‘olhos de cachorro molhado’, ela suspirou e cedeu a ele um carinho –, que tal esse sábado? Você ficou de me mostrar o tal do antiquário.

 - Perfeito! Está marcado então – Davi respondeu pulando de contentamento. –, eu estava com saudades de você.

 - Você me viu ontem?!

 - Exatamente! Só te vi, parece que faz séculos que não conversamos.

 - Dramático.

 - Sou! – Disse ele, com estrelas nos olhos.

 Passos pesados de alguém correndo os alcançaram, e antes que Davi pudesse reagir, Pedro estava praticamente pregado às suas costas.

 - Isso que é chegada! – Davi disse, rindo e se virando para o amigo -, isso é um foguete no seu bolso?

 - Isso é meu celular! – Pedro respondeu tirando o celular do bolso para confirmar e como Davi o estava encarando de forma obscena ele resolveu não dar atenção –, ficou sabendo o que aconteceu?

 Como Davi não o respondeu, ele respirou fundo.

 - Alguém estava usando ondas supersônicas e um dos prédios acadêmicos perdeu todas as janelas.

 - Oh. Legal.

 - Legal? – Pedro olhou para o amigo atônito.

 - É modo de falar – Davi respondeu –, mas então, o que aconteceu depois?

 - Não sei ainda, por isso perguntei se você sabia de... – o sinal para a aula tocou interrompendo Pedro, que se esqueceu rapidamente do assunto e foi correndo para sua sala.

 Morgana continuou acompanhando Davi.

 - Sábado, antiquário, me manda o endereço.

 - Sim, minha rainha – Davi sorriu o mais inocente dos sorrisos e Morgana percebeu que havia sido Davi quem havia, de alguma forma, usado as ondas supersônicas.


                                                               -  42  -  

Compartilhar: