Bem-vindo

Venha e junte-se a nós

  • Simples para publicar
  • Rápido feedback
  • Compartilhe com o mundo
/

Ou logue usando:

Esqueceu a Senha?

Capítulos (1 de 3) 23 May, 2018

Capítulo 1: O herdeiro

- Matem todos! Não quero ver uma alma viva neste mundo. Quero ver sangue sendo derramado! – Raven, Lady das trevas, filha do deus do Mundo Inferior, diz ao entrar nos limites da Cidade da Luz em busca de Magnatus e Atlanta, deuses da luz.

- Por onde devemos começar, Milady? - Um servo lobo do exército de Raven pergunta fazendo reverência em forma de respeito à vossa senhoria.

- Comecem pelas mulheres, quero todas mortas!

- Como quiser, Milady!

- Temos que matar o jovem descendente de Atlanta antes que a Lua De Sangue se alinhe. Caso ele ganhe vida antes disso, viveremos apenas com objetivo de matá-lo e não poderei mais me divertir causando dor aos Cronix! – Raven diz sarcástica fingindo-se decepcionada.

Cronix ou seres humanos são aqueles que não são déspotas de nenhuma forma de magia, vivendo no exterior do Mundo Tramondã.

- Como desejar. Atacar! – Grita o servo lobo eminente e levantando uma espada prateada.

Nos portões da Cidade da Luz encontrava-se o exército de Atlanta pronto para proteger a qualquer custo sua deusa e seu filho. Sátiros e centauros compunham a linha de frente do batalhão por não serem déspotas de magia, mas ainda assim serem seres mágicos. Nos céus, estavam os grifos e os pégasos sendo cavalgados por feiticeiros.

As feiticeiras, de dentro da cidade, conjuravam um escudo para envolver toda a cidade a fim de retardar o exército de Raven. Somente quando o escudo fosse rompido, que começariam o ataque vindo da Cidade da Luz.

Enquanto a batalha ocorria fora dos muros do Grande Palácio, Atlanta e seus esposo, Magnatus desciam pelas masmorras indo em direção à uma sala subterrânea construída propositalmente de modo que quando a lua de sangue se alinhasse no céu, sua luz fosse refletida dentro da sala para que, na hora do parto da deusa, houvesse a benção lunar.

Somente a parteira, Magnatus, Atlanta e Ódion, braço direito da deusa, estavam presente na hora do parto para que o caso de Raven invadir a cidade não conseguir localizá-los.

Minutos após, nasce o descendente da deusa da luz sob a luz da lua de sangue, conforme a profecia previa.

- É um menino. Qual será o nome do nosso futuro líder? – A parteira pergunta ao colocar a criança nos braços de Atlanta.

- Seu nome será Athos. – Atlanta diz olhando sorrindo para seu filho segurando a mão de Magnatus. – Agora, Ódion, meu filho não pode ficar aqui na Cidade da Luz, não enquanto Raven e Hymngtis estiverem caçando-o. Por favor, leve nosso filho para um lugar seguro. Esconda-o e o ensine tudo que ele precisa saber sobre nosso mundo. A batalha está apenas começando.

Atlanta conjura um portal que leva Ódion para fora da cidade, a salvo de Raven e seu exército.

- Prometo que farei meu melhor, senhora! - Ódion sai com o filho de Atlanta nos braços.

Ao mesmo tempo em que Dexter partia com Athos nos braços, o escudo protetor da Cidade da Luz fora rompido.

- Pronto para acolher a morte? – Atlanta pergunta para Magnatus os tocar em sua mão.

- Sempre!

Atlanta levantou-se da cama em que estava usando de sua magia para recuperar suas forças e, junto de Magnatus, se teletransportaram para fora do Grande Palácio.

Do lado de fora do palácio, a cena era horrenda; corpos por todas as partes, sangue sendo derramado em todas as direções e pessoas sendo assassinadas da forma mais brutal existente.

- Atlanta, minha cara. Sei que está presenciando todas essas mortes, eu sinto sua magia no ar. Nenhuma criatura mágica precisa morrer por culpa dos deuses, por culpa do nosso destino. Como sei que seu descentes já nasceu e não poderei matá-lo eternamente devido a profecia, encontre-me no ponto central da cidade e juntas colocaremos um fim à todas essas mortes. Eu, Raven, oro a vós. Encontre-me no ponto central.

- Raven fez uma oração a ti, Atlanta? O que ela pediu? – Magnatus pergunta segurando a mão de sua esposa.

- Ela pediu-me para encontrá-la no ponto central da cidade para colocarmos um fim a todas essas mortes. – O olhar de Magnatus cai. – Meu amor, nada disso é sua culpa. Eu me cedi ao desejo e tornei a profecia verídica. Somente eu sou responsável por tudo o que está acontecendo e irei colocar um fim. Eu o amo. – E parte no mesmo instante.

- Atalanta, quanto tempo! É bom saber que a deusa ainda tende às orações a ela feita. - Raven falava sarcástica.

- Poupe-me das formalidades, Raven!

- Nossa, assim você me ofende! Isso não é jeito de falar com uma deusa! – Raven solta uma risada irônica Atlanta permanecia séria. - Se é assim que você quer .... Sua expressão facial muda drasticamente enquanto fazia com que uma neblina rodeasse Atlanta.

Atlanta e Raven iniciaram um combate corporal nos céus e, a medida em que a luta se agravava, elas começaram a aderir ao uso de seus poderes. Atlanta era uma ótima guerreira, mas não era boa o suficiente para se comparar a Raven, uma máquina viva de matar sem piedade treinada desde seus sete anos pelos mais cruéis lutadores do Mundo Inferior.

A deusa lançava feitiços mortais que as vezes acertava alguns cervos de Raven, enquanto a mesma usava sua lança sagrada para desviar os feitiços de Atlanta fazendo com que eles fossem direcionados às bruxas do Mundo Da Luz. Atlanta sabia que seus feitiços eram inúteis e que não poderiam matar Raven, até porquê, Athos já havia nascido e de acordo com a profecia, somente ele poderia matar a descendente das trevas e seu clã.

- É só isso que você tem para mim? Pensei que a deusa da luz era robusta e veemente. Agora é a minha vez de mostrar meu incitamento! – Ao terminar sua frase, Raven começa a flutuar fazendo que seus olhos ficassem vermelhos, devido a usar seus poderes, e com que vários raios fossem lançados através de sua lança e indo em direção à Atlanta.

Atlanta não pensou duas vezes para começar a voar indo e direção a sua rival. A mesma usava sua espada imperiosa para desviar os ataques fazendo com que eles fossem direcionados ao clã inimigo. Atlanta desfrutava de grande força e sabedoria e não hesitaria em colocá-las em prática.

Raven grita abrindo seus braços fazendo com que uma enorme bola de fogo fosse se formando encima da mesma.

Atlanta sabia que esse seu momento final, que sua morte estava mais próxima do que nunca. Raven é filha de um deus e seu poder é intenso e forte, nenhum feitiço que Atlanta fizesse seria capaz de evitar sua morte. A mesma simplesmente fechou seus olhos, levantou a cabeça para o céu e abriu o braço para acolher a morte que não tardaria. Raven prepara-se para lançar sua mortal bola de fogo que acabaria com a vida de Atlanta. A bola mortal fora lançada e atingiu a deusa com toda a força fazendo-a cair dos céus indo em direção ao chão, abrindo um buraco no lugar em que parou.

- Vamos acabar logo com isso! –Raven pega sua lança caída no chão e a enfia no coração de Atalanta. O Coração da mesma saí por inteiro e Raven o esmaga observando a rival morrer.

Uma luz branca começa a se formar no lugar do coração de Atlanta subindo em direção ao céu. A deusa fora morta.

Haviam vários dos soldados de Raven mortos, mas ainda haviam poucos vivos. Alguns seres mágicos do Mundo da Luz fugiam com crianças no colo. A chuva começou a cair do céu lavando o sangue derramado que havia no chão.

Era uma nova era que Raven enfrentaria, um novo rival estava a solta no mundo. Mas, de acordo com a profecia, somente Raven poderá matá-lo.

A guerra ainda não havia acabado!  

Compartilhar: