Bem-vindo

Venha e junte-se a nós

  • Simples para publicar
  • Rápido feedback
  • Compartilhe com o mundo
/

Ou logue usando:

Esqueceu a Senha?

Capítulos (1 de 11) 07 Feb, 2020

Capítulo 6: SEJAM BEM-VINDOS A DUNGEON BÔNUS!!!!!! YEAH!!!!!

Assim como o infeliz Pinóquio, fomos engolidos pela baleia. Nem nos meus sonhos mais malucos eu conseguiria imaginar algo desse tipo. Felizmente estamos todos vivos, a língua da baleia amorteceu a nossa queda, também conseguir recuperar minha coroa. Após uma breve conversa, com Leopoldo e Joe sobre o que iriamos fazer, decidimos abrir caminho para fora da baleia pela parte da frente, quebrando os seus gigantescos dentes brancos na base da porrada, porém não conseguimos obter êxito, esses dentes são muito bem tratados essa baleia deve passar até fio dental neles.

Sem outra escolha, decidimos adentrar nas profundezas da baleia. Andamos por um bom tempo, guiados apenas pela esperança de encontrar uma saída desse lugar, foi então que começamos a ver pequenos borrões de luzes bem lá no fundo, e barulhos estranhos, barulhos esses que lembram gritos. Corremos em direção as luzes e nós deparamos com uma coisa incrivelmente bizarra, que não esperava nem um pouco encontrar aqui.

Um coliseu, há um enorme coliseu em perfeito estado dentro dessa maldita baleia. os gritos veem do público enlouquecido, com os combates travados lá dentro, ou dos gladiadores derrotados. Na frente do coliseu, tem carrinhos de pipoca, algodão doce e salgadinhos, ignorando totalmente o mundo a sua volta Joe corre até o carrinho de pipoca e compra dois pacotes de pipoca doce e na manteiga.

Joe enche a mão de pipoca e as joga para o alto, o sapinho então pega uma à uma usando a língua. Synth encara joe, completamente indignado com a facilidade extrema que o sapinho esqueceu os problemas a sua volta, para comer pipoca.

- O que foi? Toda essa caminhada me deixou com fome ... Quer um pouco?

- Eu quero, adoro pipoca doce e na manteiga – Disse Leopoldo, o esqueleto enche a mão de pipoca e joga dentro da sua boca, mastiga um pouco e diz – Hm! Essa aqui tá estragada, não tem gosto de nada.

De repente, as portas de obsidiana do coliseu se abrem. O caloroso brilho do sol que ilumina a arena restaurou o nosso espirito de luta mais uma vez, a vibração do público ao nos ver era tamanha, que eu conseguia senti-la. A plateia só se acalmou quando uma criatura excêntrica, que até então nós observava nas sombras do seu pomposo camarote real, se levanta do seu trono luxuoso e vai até a sacada.

- Sejam bem-vindos A FASE BÔNUS YEAH!

Disse o tubarão bigodudo, vestindo um roupão vermelho bem chamativo, com o desenho de um coelho nas costas.

- Eu me chamo Vladmir YEAH! Sou o dono desse coliseu, e da baleia também YEAH! Estou muito contente em conhece-los, bravos aventureiros de Kali de Rux.

- EaYEAH! – Disse Synth. - O que você quer dizer com ‘’Fase bônus’’ Tutubarão?

- YEAH! Simples. De tempos em tempos, os aventureiros que desbravam as masmorras de Tanokhan, são engoli- digo, trazidos até o meu coliseu onde arriscaram suas vidas em batalhas ferozes contra criaturas muito, muito, mas muito YEAH!

- Tá, legal, mas o que a gente ganha com isso? Perguntou Leopoldo.

- O de sempre é claro. – Nesse momento, um largo e assustador sorriso se forma no rosto de Vladmir. - RELÍQUIAS!!!

Os olhos de Synth brilham ao ouvir aquelas palavras – Perai! Então só precisamos descer a porrada em alguns caras nessa arena para ganhar uma relíquia? Sem mobs no caminho, sem nenhuma exploração de salas, apenas boss battle?

- EXATO! Vocês só precisam derrotar os bosses para receber o prêmio, porém já aviso YEAH! Esses bosses são do nível 999 O nível máximo, quando a luta se inicia vocês terão de lutar até o fim YEAH! Desistir não é uma opção aqui. Aviso YEAH! Dado, eu os pergunto, querem começar a batalha agora?

- Hahaha! Isso não é um problema para aventureiros lendários como nós, pode chamar a primeira vítima horripilante – Disse Leopoldo.

- Só um minuto, Leopoldo – Disse Joe, levantando a mão. – Caro Vladmir, você não teria uma forma mais calorosa de nós trazer para a fase bônus, se não por intermédio da boca de uma baleia?

- Verdade, não tinha uma forma menos assustadora de trazer a gente pra cá não? Ser engolido por uma baleia não é muito agradável. Meu coração parou de bater quando eu vi aquela boca colossal se abrindo – Leopoldo coloca a mão no peito. – Perai, ele continua parado.

- Hahaha! Todo mundo toma um susto na primeira YEAH! Mas com o tempo vocês se acostumam. Há! E a baleia tem nome, ela se chama Waveshaper, a melhor baleia coliseu de todas.

- Agora vamos deixar de papo furado e vamos ao que interessa, PORRADARIA!

Vladmir estala os dedos e começa a nascer grama no chão, de repente, em baixo dos nossos pés emerge uma arena quadriculada feita de pedra, com um pilar de pedra em cada extremidade.

- Senhoras e Senhores, a batalha de hoje promete ser YEAH! No canto esquerdo, temos um grupo de aventureiros liderados por Synth Vaporwave. Enquanto no canto direito, temos o maior mestre nas artes marciais que já existiu YEAH! Um homem com mãos capazes de cortar planetas ao meio, esse homem é

- GOL´KU: O SUPER SARADIN!!!

O portão de ferro a nossa frente se abre, revelando o nosso primeiro inimigo. Um homem negro bem alto, com um cabelo loiro muito, mas muito grande, o seu cabelo é tão grande que parece um cacho de banana madurinha. Ele veste kimono rosa e usa faixa preta, braçadeiras rosas e botas preta. No seu peito esquerdo e nas costas há um símbolo escrito em uma língua, que desconheço.

- QUE A LUTE COMECE YEAH!

Vladmir dá início a luta, mas Gol´ku não avança pelo contrário, ele está parado com a mão embaixo do queixo, olhando para a gente, bastante pensativo.

- Tá bugado? Perguntou Synth, acenando.

- Não, não, sou estou em pensando aqui, qual dos 4 eu devo destruir primeiro? AH! Que saber, pode vim os 4 logo de uma vez, aventureiros é uma raça de frangotes mesmo, quem sabe atacando juntos vocês não tenham mais chances de me deixar suado.

Leopoldo e Joe ficam completamente embasbacados com as palavras do inimigo.

- HAHAHA! Olha só a audácia desse filho da puta!!!

- Se afaste Synth, eu darei cabo deste maldito insolente.

- NÃO! Eu cuido dele Joe, esse convencido de merda vai aprender a não nos subestimar.

- Gente – Disse Synth, ainda sorrindo. – Calma, todos nós queremos descer a porrada nesse merdinha, mas só um de nós pode ir. Então vamos resolver isso daqui de forma adulta e justa.

- Tirando preta papel tesoura? Disse Leopoldo.

- Exato, meu caro amigo, é assim que os reis resolvem suas desavenças, agora vamos.

Cada aventureiro esconde uma mão nas costas, com exceção de Leopoldo que mesmo com a mão nas costas é possível ver claramente sua mão aberta, na forma de papel, Synth então só precisava se preocupar com Joe. A contagem termina e os três revelam suas mãos, Leopoldo realmente jogou papel, Joe levando em conta a jogada do colega, jogou tesoura. Synth optou por jogar pedra, assim vencendo joe.

- Bem, agora que eu venci de forma justa, me deem licença pois agora vou acabar com esse convencido de merda.

- Hã! Só na pedra papel tesoura para você me vencer mesmo, mas tudo bem eu aceito a derrota, vai lá e acaba com esse desgraçado.

- Nossas esperanças estão com você, Synth. Boa sorte.

- Podem deixar.

Synth e Gol’Ku se encaram, o aventureiro assume a postura de um lutador de boxe, punhos levantados na altura do rosto – Já que suas únicas armas são os punhos, eu também só usarei os meus.

- Acha que isso irá equilibrar a luta? Hum! Com ou sem arma eu irie te esmagar com esses punhos. PREPARA-SE! Vou lhe mostrar do que é capaz o estilo Fung Ku.

Gol’Ku avança para cima de Synth, o aventureiro defende o soco de Gol’ku e revida dado um soco na bochecha esquerda dele, com o soco Gol’Ku cai no chão, aparentemente morto. Synth chuta o corpo do adversário para checar se ele ainda está vivo, mas sem resposta.

- MAS JÁ? Gritou Leopoldo.

Synth vira-se para os amigos – Falador passa mal.

De repente, Gol’Ku se levanta do chão, do seu nariz jorra uma cachoeira de sangue, ainda meio tonto depois de receber o golpe Gol’Ku se agacha e é então que uma aura amarela surge ao redor do seu corpo, o homem começa a gritar loucamente até o momento em que ocorre uma explosão de luz, ele reaparece logo em seguida, mas com um corte de cabelo totalmente diferente. Seu cabelo continua loiro, porém, agora curto e arrepiado para cima.

– Bravo! Disse Gol’Ku batendo palmas. – Você conseguiu me derrotar, teve ter gastado toda sua energia para fazer isso, aposta que não consegue levantar um dedo se quer agora.

- Cara, eu só te dei um soco e tu caiu fedendo.

- CONTUDO! Não vá se achando por essa miserável vitória, aquela era minha forma mais fraca, agora, no modo Super Saradin 2. VOCÊ NÃO TERA A MENOR CHANCE!!!

A luta se inicia, com Gol’Ku avançando primeiro novamente, dessa vez ele consegue esquivar dos golpes de Synth e o acerta no rosto, isso o deixou cheio de confiança, o que resultou num terrível erro. Quando Gol’Ku tentou chutar a cara de Synth, o aventureiro segurou o seu pé e o puxou, usando o poder das manoplas Synth dá um poderoso soco na boca de Gol’Ku, arremessando o lutador para longe.

- E fica no chão, seu cocô? Disse Joe.

Gol’Ku dá um pulo e fica em pé novamente – O QUE! Como esse cara tá vivo?

- Synth, na moral puxa a Darkwave e acaba logo com isso – Disse Leopoldo, impaciente.

- AGORA VOCÊ ME DEIXOU PUTO!!! Disse o lutador, cuspindo os próprios dentes.

Gol’Ku se agacha e aura amarela envolve o seu corpo novamente, uma segunda explosão de luz acontece, o lutador reaparece completamente curado e agora de cabelo preto.

- Você me obrigou a ativar o modo super saradin 3, espero que esteja pronto para lidar com as consequências.

- Só vem irmão.

Da para ver nos olhos azuis de Gol’Ku que dessa vez o resultado será diferente, ele se teleporta para perto de Synth e dá um soco na barriga dele, o golpe faz o aventureiro cuspir um pouco de sangue, Gol’Ku continua o ataque com uma poderosa sequência de chutes e socos. Synth voa para longe, o lutador se teleporta novamente, porém Synth consegue se defender do ataque surpresa e os dois começam a trocar socos em pleno ar.

A batalha termina com uma troca simultânea de socos no rosto, Synth leva a melhor por utilizar o poder das manoplas, infligindo mais dano a Gol’Ku do que ele consegue suportar. O lutador despenca dos céus e cai de cara no chão, aos poucos uma poça de sangue se forma ao redor do corpo, confirmando assim a vitória de Synth. Bem, pelo menos foi isso que o aventureiro achou.

Synth não disse uma única palavra, ele apenas observou horrorizado, o corpo ensanguentado do seu oponente erguendo-se novamente.

- Em nome da santa lagoinha! O espirito desse homem é inabalável – Disse Joe, ao ver Gol’Ku novamente de pé.

Gol’Ku se agacha, a sua cara está toda ensanguentada e machucada, mas mesmo assim é possível ver o puro ódio nos seus olhos.

– Não! Chega dessa porra de se transforma toda hora, vou fazer você ficar no chão pra sempre agora. – Disse Synth, sacando a Darkwave e voando em direção ao inimigo.

Entretanto, Synth é parado por uma forte onda de choque criada a partir do grito de Gol´Ku, os gritos do lutador fazem todo o coliseu tremer. Uma aura colorida e gigantesca, como a aurora boreal, adorna o corpo do lutador, por fim uma nova explosão de luz acontece.

- Contemple a forma de um Deus.

Gol’Ku reaparece com o peitoral a mostra, sobrancelhas rosas, e, agora completamente careca.

- KKKKKKKK! Parece a bola 8 – Disse Leopoldo.

- SILÊNCIO! Eu cansei de brincar com vocês vermes, preparem-se, pois agora irei LANSAR A BRABA!!!

Gol’Ku ergue os braços e começa a concentrar lentamente energia, numa bola de luz enorme.

- VEM! LANSA A BRABA QUE EU TANCO ESSA PORRA!!!

- Perai, demora um pouco para carregar a braba. Manda um pouco de energia aí pessoal para eu terminar mais rápido.

- Desse jeito? Perguntou Leopoldo, logo após lançar sua adaga na testa de Gol’Ku.

Gol’Ku cai no chão, com a adaga dourada cravada na sua careca reluzente. O coliseu fica em silêncio, todos estão no aguardo para ver a nova transformação de Gol’Ku; será que ele ficará pelado agora ou irá crescer cabelo colorido na sua cabeça novamente, ou talvez ele surgirá na forma de um macaco dourado gigante. Nunca saberemos, pois para a felicidade dos aventureiros o lutador não levantou do chão.

O som de trombetas anuncia a vitória dos aventureiros, os três comemoraram muito ao ver Gol’Ku virando poeira magica e desaparecendo, o público vai a loucura, eles jogam rosas aos aventureiros.

- PARABÉNS! Vocês conseguiram derrotar o seu primeiro YEAH! Da baleia.

- Não foi tão difícil assim, se esse for o padrão dos monstros daqui, podemos facilmente derrotar todos eles agora – Disse Leopoldo, colocando a adaga de volta no seu crânio.

- HAHAHAHAHAHA! O coliseu inteiro riu junto com Vladmir.

– O primeiro boss é sempre o mais fácil YEAH! A partir de agora só vem os bicho brabo, criaturas que fariam o até lendário dragão Yian Kut-KuKu chorar.

Vladmir estala os dedos e no mesmo momento três valkírias a cavalo vem até nós, elas trazem consigo garrafas de água revigorante e uma de leite para o Leopoldo.

- Fiquem à vontade, a luta só irá começar quando vocês estiverem YEAH! Prontos.

As valkírias são mulheres exuberantes, possuem um longo cabelo loiro e olhos verdes, elas usam elmos com asas na lateral. Seus corpos esculturais, cheios de cicatrizes de incontáveis batalhas, são protegidos por um poderoso sutiã feito de diamantes, capaz de aguentar o golpe da espada mais rígida e o sopro flamejante do pior dos dragões, essa é uma belíssima peça de roupa, adoraria presentear Ayala com um desses.

Após uma breve pausa, demos o sinal verde para que Vladmir trouxesse o próximo inimigo. O tubarão então estala os dedos e a arena muda novamente, agora para um salão de dança com piso xadrez, rosa e preto. O teto do coliseu foi fechado, lustres de velas surgiram para iluminar a arena. Sobre nossas cabeças foram penduradas gaiolas de pássaros, com esqueletos dentro. Aposto que Leopoldo conhece algum desses caras.

- Senhoras e Senhores, o segundo YEAH! Da noite está prestes a acontecer. Os aventureiros iram enfrentar uma terrível femme fatale, uma linda mulher que adora dançar YEAH! Que tem como principal arma de sedução o álcool. É claro que eu estou falando dela, a nossa querida.

- MADAME GAIOLA!!!

Mais uma vez os portões de ferro são abertos, o nosso oponente agora trata-se de uma mulher gigantesca, trajada como uma condessa, usando vestido preto com detalhes em branco. Tão grande quanto ela é sua peruca branca, que de tão branca e grande faz parecer, que há uma nuvem em sua cabeça, a madame usa um longo leque de facas vermelhas para ocultar o seu rosto, deixando à mostra apenas os seus imensos olhos prateados.

- QUE A YEAH! COMEÇE!

Do lado da Madame Gaiola tem um pedestal de ouro e sobe ele há uma gaiola coberta por um manto preto, a criatura aprisionada na gaiola começou a piar como um pinto faminto, em seguida dois olhos vermelhos surgiram em baixo do cobertor.

- Hohohoho! Já está com fome queridinho – Disse a Madame com a sua voz desgastada pelo tempo.

A saia da madame é puxada sozinha para os lados, como a cortina de um teatro sendo aberta, revelando assim que por baixo daquela saia há uma gaiola de ferro redonda, cheia de ossos humanos e restos de corpos. Isso também nos mostra que a madame não possui pernas, e que ela se move girando a gaiola.

A madame abre a porta da sua gaiola, pega um osso com pedaço de carne e dá para a criatura da gaiola comer, dava para ouvir em alto e bom som a criatura comendo o pedaço de carne, depois quebrando e mastigando o osso também. Após a refeição, a criatura ficou em silêncio, voltando a piar pouco tempo depois e só se cala novamente quando a madame o presenteia com outro pedaço de carne.

- Que porra é essa?! Disse Leopoldo.

A madame liga o seu gramofone e uma linda música clássica toma conta da arena - AH! A música começou a tocar, será que não há nenhum cavaleiro disposto a me tirar para dançar.

- Perdoe-me, mas minhas pantufas não foram feitas para a dança.

- Não! Nem por uma relíquia – Disse Synth.

- Não estou no clima pra dança hoje – Disse Leopoldo.

Irritada com a resposta dos aventureiros, madame Gaiola diz – Muito bem, vejo que terei de tomar a iniciativa!!!

O interior da gaiola da madame Gaiola se enche de escuridão, em seguida a porta da gaiola se abre e dela saem esqueletos vestindo smoking prateado com gravata borboleta, portando espadas bem afiadas.

- Incrível, esses caras continuam estilosos mesmo depois da morte – Disse Leopoldo.

De repente, os quadrados onde Leopoldo e Joe estavam se transforaram em buracos, felizmente fui rápido o suficiente para pegar Leopoldo, joe por sua vez utilizou um de seus impulsos para fugir da morte certa. A arena havia se transformado em um tabuleiro de damas onde só podemos nós mover pelos quadrados rosas, enquanto os nossos inimigos podem se locomover livremente por ambos.

Eu comecei a lutar pulando de quadrado em quadrado para atacar os esqueletos, até Leopoldo me lembrar que posso simplesmente voar. ‘’ Os esqueletos estilosos’’ Como foram carinhosamente batizados por Leopoldo, são inimigos ágeis e com uma precisão absurda em seus golpes, há outro detalhe interessante sobre esses esqueletos, quando eles morrem sobe um quadrado preto os seus ossos tampão o buraco tornando possível a travessia, isso facilita a luta para Leopoldo que não pode voar e tem que ficar pulando de quadrado em quadrado para acerta um golpe de adaga.

A batalha estava preste a acabar, faltava poucos inimigos e eu cada vez mais me aproximava da madame, foi então que ela resolveu alterar o rumo da dança. Enquanto lutava bravamente contra o meu oponente, senti que o chão em baixo dos meus pés ficava cada vez mais quente ao ponto de sair fumaça, sem pensar duas vezes voei para longe, logo em seguida o quadrado onde estava foi tomado por um pilar de chamas. O quadrado onde Leopoldo está começou a fumaça também, tentei avisa-lo do perigo eminente, mas infelizmente as chamas o consumiram antes que tivesse a chance, quando a tormenta de fogo cessou eu tomei u susto pois meu querido amigo não foi reduzido as cinzas, ele continuava ‘’vivo’’ Entretanto, seu ossos agora estão amarelados.

Leopoldo deflete o ataque inimigo e crava a sua adaga na cabeça do inimigo - Uff! Agora eu tô EMBRASADO!!! PODEM VIM! PODEM VIM!

- Tá... Tudo bem Leopoldo? Perguntou Joe.

- SIM! Esse fogo veio em boa hora, eu estava congelado até ossos aqui hahaha!

- Ok...

- Já me cansei dessa música lenta, vamos agitar as coisas – A madame muda a música tranquila do gramofone, para algo mais caótico, com isso novos inimigos emergem dos quadrados negros. Mais esqueletos estilosos, porém esses usam terno preto, monóculo e cartola. Eles carregam consigo uma linda bengala espada com cabo em forma de águia e, só podem andar pelos quadrados rosas como nós.

A madame fecha o leque de facas e revela seu rosto por inteiro, seu nariz é comprido e afiado como o de um inseto, seus grandes dentes tortos e afiados saltam para fora da sua boca sem lábios e suja de sangue.

- Venha dançar comigo Synth, é você quem mais desejo torturar dentro da minha gaiola.

Synth faz uma cara de repulsa – Que desgraça feia.

- Hahaha! Como você é sedutor Synth, conquistou a gaiola da madame.

Joe salta até Synth e diz - Você deve aceitar o pedido dela caro amigo. Deixe a árdua tarefa de aniquilar esses inimigos bem vestidos conosco e parta em direção ao mal maior, traga a vitória para nós.

- De jeito nenhum, olha praquela coisa ela me dá medo, dessa vez vou precisar da ajuda dos meus queridos amigos para derrota o chefão.

- Você sempre precisa – Disse Leopoldo.

- Eu pensei que seu único medo era água - Disse Joe.

- Pois é acabei de adquirir um novo medo.

Os novos inimigos começam a se mover em direção aos aventureiros, Leopoldo assume a posição de ataque novamente – Synth, você é o único que pode voar então deixa de palhaçada e vai logo descer a porrada naquela abominação.

- Tá! Já que vocês insistem tanto eu vou, mas venham logo me ajudar.

100% Motivado pelos meus amigos fui ao encontro da fera, saltei o mais alto que pude e voei a toda velocidade, o choque da Darkwave batendo no leque de facas da madame entoou por toda arena deixando o público ensandecido com o duelo que se iniciava agora.

A madame se move como um peão, girando sua gaiola para um lado e para outro ela lança suas facas carmesins, com certa facilidade conseguir defletir os seus ataques, sem perde tempo avancei impiedosamente sobre ela. A monstruosidade presa na gaiola coberta está cada vez mais agitada, por ver sua dona sendo ameaçada pela espada. Numa tentativa pífia de me manter longe, a madame fez com que todas as gaiolas penduradas no teto começassem a cair, de primeiro momento fiquei preocupado em como Leopoldo e Joe iriam lidar com esse ataque, mas logo essa preocupação foi embora junto com a gaiola que Joe arremessou para longe, Leopoldo não possui força suficiente para repetir um ato como esse, por isso ele faz uso da sua velocidade extrema para cortar as gaiolas ao meio.

- JÁ CHEGA!!! Gritou a madame, furiosa, ela concentra energia no leque fazendo com que as facas comecem a brilhar. Após o carregamento total do leque ela o dispara contra Synth.

Com um simples golpe de espada eu conseguir defletir as adagas energizadas, a madame parou de rodopiar e se focou totalmente em me enfrentar. Iniciei o combate a todo vapor, com golpes fortes sem aberturas para contra-ataque, forçando-a apenas a se defender. Cada golpe que eu desferia contra ela aumentava a fúria da criatura presa na gaiola coberta, eu temia mais ser atacado de surpresa por a monstruosidade enjaulada do que pela madame. A batalha estava praticamente ganha, a madame já não possuía forças para continuar lutando, seu leque de facas está aos frangalhos defender-se com ele já era impossível, foi aí, nesse momento crítico, que meu corpo foi gradualmente ficando fraco.

Os golpes antes fracos da madame agora se tornaram terrivelmente pesados, defende-los se tornou uma tarefa insuportável, meu corpo começou a ficar pesado e minha respiração cada vez mais ofegante. Não demorou muito para que a madame conseguisse mudar o rumo da batalha, com seu leque de facas ela penetrou a minha armadura e cortou o meu peito, seu ataque não parou por aí, ela agora visava meu pescoço. Usei a força que me restava para defender o golpe da madame, o impacto me arremessou para longe, usei o poder da coroa para planar até um dos quadrados rosas. Deitado no chão, já sem forças, eu escutei o barulho de alguma coisa sendo chupada, olhei para o meu braço e vi uma puta sanguessuga vermelha colada nele.

A madame observa Synth caído no chão, com superioridade - OHOHOHOHOHO! Já está cansado Synth?

-Parece que não tem o que és necessário para entrar na minha gaiola.

Tentei arrancar a sanguessuga usando a ponta da Darkwave, porém meu corpo estava fraco demais para se quer empunhar minha espada. Ao fundo eu ouvi o som de gatinhos miando, era Joelsun pulando em minha direção, chegando perto de mim ele rapidamente sacou seu cachimbo e começou a fumar.

- Não tema meu amigo, pois agora mesmo eu irei livrar o seu corpo dessa criatura nefasta.

Joe exala a fumaça, em seguida joga a brasa do seu cachimbo em cima da sanguessuga fazendo com que a criatura grotesca se desgrude do meu braço. Tomei uma poção de cura e um frasco de água revigorante, aos poucos meu corpo pálido foi voltando a sua cor de puro ébano, quando me senti forte novamente tentei levantar do chão e fui empurrado para baixo por Leopoldo.

- Sossega Synth, recupere suas forças antes de tentar fazer qualquer coisa. Pode deixa que a gente finaliza a madame.

- Eu já tô bem cara, posso voltar a luta – Após dizer isso, Synth tenta se levantar novamente, mas é impedido por Joe dessa vez.

- Synth, escute o conselho do nosso querido amigo esquelético e descanse um pouco, nós estamos em dívida com você por tudo que você fez na luta contra o Capitão Brock. Por tanto, fiquei aí sentado e deixei isso com a gente.

Synth fica relutante no início, mas acaba cedendo – Está bem, eu vou ficar só assistindo o resto da luta.

- OHOHOHOHO! Que discussão sem sentido, agora que vocês três estão reunidos - A madame abre um leque de facas em cada mão e começa a energiza-los. - Será muito mais fácil mata-los.

- MORRAM! - A madame dispara uma tempestade de facas na direção dos aventureiros. Leopoldo se coloca à frente do grupo, saca sua ‘’ Tilápia Enrijecida’’ E a segura como se fosse uma minigun.

- Vai sonhado vadia – Disse ele, puxando o gatilho do seu peixe espada.

Mais uma vez, Leopoldo demonstra sua precisão impecável, ao acerta todas as facas da madame, com seus projeteis congelantes, disparados a uma velocidade espantosa. Após congelar a última faca, Leopoldo congela as mãos da madame afim de impossibilita-la de usar esse ataque novamente, feito isso Leopoldo segura o peixe espada pelo nariz, como se fosse uma espada.

- VAMOS JOE! ESSA É A NOSSA CHANCE!!!

Joe apenas assentiu com a cabeça, empunhou seu poderoso martelo machado e pulou em direção a madame. Entretanto, a madame não demonstrava está preocupada com o ataque simultâneo dos aventureiros e o motivo disso era bem simples, quando os aventureiros estavam prestes a mata -lá a monstruosidade enjaulada finalmente se libertou, o monstro se jogou na frente da sua dona para protege-la de um ataque mortal.

A criatura que causou arrepios nos aventureiros, se revelou uma gigantesca bola de penas douradas com pernas de galinha. A penugem ao redor dos olhos vermelhos da criatura é diferente, ela possui uma coloração alaranjada em forma de raios. Por fim, o monstro possui um bico muito afiado na forma de uma tesoura azul.

- Eu tava com medo dessa merda? - Disse Synth.

- Sabe, olhando de perto agora, você é até que fofo – Disse Leopoldo.

A criatura olha para os aventureiros, das suas penas douradas emergem dois braços humanos extremamente musculosos.

- PIU! – Disse a criatura com uma voz muito mais grossa, em seguida ele desfere um poderoso soco contra Joe, o sapinho consegue pular a tempo evitando de receber o golpe, porém, no ar ele é recebido pela madame Gaiola que tenta o acerta, com sua mão congelada. Joe saca seu martelo machado e destrói o bloco de gelo, agora com a mão livre a madame pode voltar a lançar seu leque de facas, Joe usa os impulsos das pantufas para fugir das facas da madame e retorna para perto de Leopoldo.

A madame liberta sua outra mão e abraça a criatura – OHOHOHO! Vocês nunca tiveram chance de vitória, principalmente agora que o meu Piu-Piu despertou.

- PIU!!!

- Isso aqui tá ficando estranho – Disse Leopoldo. - Você está bem Joe? Foi atingindo por alguma sanguessuga?

- Passo bem Leopoldo, tomei cuidado para não ser alvejado por uma dessas criaturas nefastas.

- Então vamos ao ataque, quero acabar com essa luta no próximo golpe – Disse Leopoldo, encarando a madame.

- Ohhh! Acredita mesmo que pode me derrotar, puro osso? Sua pequena adaga nada pode fazer contra mim.

- AI! Mesmo tendo um pintão você não é páreo pra eles, desçam a porrada nessa vagabunda galera!!! – Gritou Synth ao fundo.

- Ehhh! .... Obrigado pelo apoio Synth – Respondeu Joe, um pouco envergonhado com a fala do amigo.

- PIU!!!

O Piu-Piu ergue os braços e desce com tudo, Joe segura Leopoldo e pula para longe do alcance da fera, o impacto dos punhos tocando no chão estremece à arena inteira. Logo após o impacto, Leopoldo pula em cima do braço esquerdo da criatura e parte em direção a madame, Joe faz o mesmo no braço direito. A intenção dos aventureiros ao se dividirem era deixar a madame confusa, sem saber em quem devia focar seu ataque, o plano dá certo, a madame entra em pânico e opta por, mais uma vez, derrubar as gaiolas presas no teto.

O ataque da madame saiu pela culatra, a chuva de gaiolas de ferro massacrou o seu Piu-Piu, quanto ao Leopoldo e Joe, sem terem de se preocupar com buracos no chão e esqueletos querendo rasga seus rostos, eles conseguem desviar facilmente das gaiolas. Após uma bela corrida heroica, Leopoldo finalmente chega até o ombro do Piu-Piu, porém a madame havia se afastado muito da criatura, ele não conseguiria toca-la. Entretanto, uma nova ideia surgiu na mente de Leopoldo, o esqueleto salta o mais alto e longe que pode, levanta o peixe-espada, como se fosse uma lança, e a joga na direção da madame.

O peixe voa a todo vapor, visando a boca da madame, vendo que não daria tempo de girar para o lado. A madame opta por lançar suas facas na direção do peixe-espada, com a intenção de cessar o ataque de Leopoldo. Nesse momento, surge Joe, que, com seu poderoso martelo, bate na nadadeira caudal do peixe-espada reacendendo a sua fúria assassina, o peixe atinge o seu alvo e leva a madame ao chão no processo.

O público vai a loucura, Synth finalmente levanta do chão e voa em direção aos seus amigos.

- Nós conseguimos – Disse ele, abraçando os dois.

- Não tenho total certeza disso – Retrucou Joe.

A princípio eu não entende porque Joe estava em dúvida, para mim a nossa vitória estava clara, mas, quando a gritaria da plateia diminui eu pude ouvir o motivo da preocupação de Joe. A madame estava viva, gemendo de dor no chão.

- Deixa comigo, eu termino o serviço – Disse Leopoldo, caminhando em direção a madame.

Leopoldo sobe em cima da madame, mesmo ferida mortalmente a madame mantem um olhar de fúria, Leopoldo tenta ignorar aquele olhar mortal e foca em arrancar o peixe-espada de dentro da boca dela. O esqueleto fixa o seu pé direito na testa da madame e o esquerdo no queixo, ele puxa o peixe várias e várias vezes, mas não consegue retira-lo.

- Quer uma ajudinha? Perguntou Synth.

- Seria legal – Respondeu Leopoldo.

Synth toca no ombro de Joe e os dois vão ajudar Leopoldo.

– Blz, no 3 Galera – Disse Synth. - 1, 2, 3 Agora!!! Os aventureiros puxam com tudo e conseguem remover o peixe-espada.

– Ufa!... Danada, por um minuto achei que você não iria soltar a minha espada Hã! – Disse Leopoldo, repreendendo a madame.

Furiosa a madame tenta uma última investida contra os aventureiros, Leopoldo saca seu peixe-espada e a transforma num bloco de gelo. Em seguida, ele a quebra em mil pedaços, com um belo chute na fuça. Um dos blocos de gelo caiu dentro da corneta do gramofone, bugando o aparelho e dando início a uma nova música, intitulada de ‘’ Sunny’’.

O ritmo envolvente da música conquistou os três aventureiros, que, rapidamente começaram a dançar. Leopoldo mostra que além de uma boa mira, ele possui um excelente gingado, mexendo seu quadril para frente e para trás de um jeito hipnotizante. Synth, dança de uma forma estranho, balançando seu corpo de um jeito bizarro, quase como se estivesse tentando retirar um demônio do seu corpo. Por fim, era impossível não presta atenção em Joelsun, seus movimentos graciosos, acompanhados de miados fofinhos, roubam a cena.

Vladimir também entrou na dança, de pé, em cima do cavalo de uma Valquíria, o tubarão começou a dançar. O tubarão movia seu corpo de um jeito tão flexível, que mais parecia que ele era uma enguia, balançando sua cabeça, ele aponta para o chão, com o dedo indicador, e logo em seguida para o céu, sempre na diagonal.

Vladimir desliga o gramofone, levanta os braços e grita - PARABÉS! VOCÊS CONSEGUIRAM YEAH! VENCER OS DESAFIOS DA BALEIA.

Nesse momento, uma bola de luz desse dos céus e para nas mãos de Vladmir.

- Como prometido aqui está a sua Yeah! Relíquia.

A luz celestial desaparece, revelando a nova relíquia dos aventureiros. A relíquia trata-se de um escudo pequeno no formato de coração vermelho, com uma leve curvatura na parte inferior.

- Este é o ‘’ Escudo de negação da realidade.’’ Enquanto o portador dele tiver plena convicção de que é, o mais poderoso, implacável, inexpugnável, invencível YEAH!!! O escudo é inquebrável, nem mesmo as garras de lava de um dragão real podem rasgar esse coração. No entanto, se a mente do portador for tomada por incertezas, dúvidas sobre a sua força e até da sobrevivência de seus amigos, o escudo irá virar pó.

- Isso faz com que somente os mais poderosos cavaleiros, ou aqueles com um puta ego possam porta esse escudo. Então, qual dos 3 é o mais convencido?

– Bem, por mais legal que seja o design desse escudo – Disse Synth.

- Ele não combina com o meu estilo de luta, que consiste em dar espadada e socão. Então eu passo.

- Eu também passo - Disse Joe. – Essa de fato é uma relíquia muito formidável e acredito que ela será bem mais aproveitada nas mãos esqueléticas de um certo aventureiro, do que nas minhas.

Synth e Joe então olham para Leopoldo, com um imenso sorriso no rosto.

- O que? Vocês vão deixar essa relíquia para mim?

Os dois apenas balançam a cabeça em sinal de aprovação.

- Hahaha! Desse jeito vocês vão me deixar mal acostumado.

Leopoldo se aproxima de Vladmir, o esqueleto fica totalmente hipnotizado pelo brilho carmesim do escudo.

Cansando de esperar, Vladmir diz - Aí! Eu não vou equipar isso no seu braço não, então ... Pega logo e se manda Yeah!

- Hehehe! Foi mal.

Leopoldo então equipa o escudo no braço direito, o observa por mais um tempo e faz uma posse heroica.

– Quando se sentirem ameaçados, NÃO TEMAM MEUS AMIGOS POIS EU IREI PROTEGE-LOS COM O MEU PODEROSO ESCUDÃO!!!

- Hahahaha! Estamos contando com você, Leopoldo – Disse Joelsun.

- Mais uma vez eu gostaria de parabeniza-los por suas excelentes performances, a tempos o público não fica tão animado assim. Contudo... Snif! É chegada a hora de se despedir – Vladmir tenta se manter forte, mas acaba desabando em lágrimas ao fim do seu discurso.

- O não fica assim Tutubarão – Disse Synth. - Enquanto você tiver relíquia para nós dar, a gente vai volta. Não precisa chorar.

- Snif! Snif! É que despedidas são sempre muito emocionantes pra mim.

- Você irá nós levar de volta para aquela dungeon fantasmagórica? Perguntou Joelsun.

- Isso são vocês quem decidem, escolham um destino e eu os levarei de baleia até lá.

- Qualquer lugar? Perguntou Synth.

- É claro, a Waveshaper conhece cada canto desse mundo e de muitos outros; reais ou ilusórios, físicos ou espectrais. Então, já tem um destino em mente?

- Sim! Nós leve pra casa. 

Compartilhar: