Bem-vindo

Venha e junte-se a nós

  • Simples para publicar
  • Rápido feedback
  • Compartilhe com o mundo
/

Ou logue usando:

Esqueceu a Senha?

Capítulos (1 de 2) 15 Nov, 2019

01 - Início.

Se eu pudesse definir com poucas palavras o último ano da escola, provavelmente elas seriam: "Aguente mais um pouco." Não entenda errado, não é como se eu estivesse sendo coagida ou ameaçada. Talvez por causa da minha natureza um pouco mais reservada – os longos sete anos que frequentei a mesma escola – eu nunca fui vítima de um caso real de bullying.

Eu sempre fui uma garota que conseguia se defender até mesmo entre os meninos, graças a uma pessoa importante que me ensinou algo difícil de esquecer até mesmo nos dias de hoje.

“Não comece brigas, não provoque as pessoas... Mas se encostarem um dedo em você, revide.” Disse minha mãe anos atrás.

Eu sempre fui um pouco atlética.

Me orgulho disso.

Somado a isso: Portanto, acabei desenvolvendo uma figura de mim que pode ser considerada respeitável, alguém tranquila que está sempre sentada em seu canto mas que quando necessário saberia se defender se em algum momento tentassem coagir por meio da violência.

Quando eu penso melhor.

Esse tipo de comportamento deveria fazer com que as pessoa me vissem como alguém mais convencida e cheia de si, como consequência, trazer muito mais brigas para o meu cotidiano do que fazer com que meu dia-a-dia fosse tranquilo.

De fato.

Daria para contar nos dedos quantas vezes eu estive envolvida em uma briga, esse número cairia pela metade se fosse considerar apenas as que eu acabei trocando socos com alguém. Não é atoa que a maior parte delas aconteceu durante o fundamental, quando ainda era uma criança.

Motivos bobos, por sinal.

Talvez eu possa ser considerada um caso especial, pelo menos é algo que gostaria de pensar, acho que antes de ser respeitada por ser alguém boa de briga, eu acho que os motivos estão bem apoiados em o tipo de pessoa que eu sou.

Uma pessoa razoável.

Sim, razoável.

Vivendo entre o limiar de excelente e péssimo. Uma pessoa fácil de lidar, comunicativa e confiável o suficiente. Eu também nunca tive dificuldades com o estudo, posso dizer que aprender é relativamente fácil, existem muitas poucas coisas que eu não consiga absorver com facilidade.

Medíocre.

Acho que essa palavra me define melhor.

Estar sempre na média, não me destacando nem positiva ou negativamente, apenas estando lá como um enfeite. As pessoas não costumam me notar com facilidade e de tempos para cá, eu comecei a interagir menos com elas.

Celular.

Internet.

Redes Sociais.

Eu já não consigo lembrar exatamente quando essas coisas surgiram, mas sei que se popularizaram bem rápido, particularmente eu nunca me adaptei bem a um celular, quando digo celular, me refiro especificamente ao Smart Phone.

Touch Screen.

Por causa disso eu comecei a me afastar um pouco mais das pessoas. Eu já fui alguém que se destacava bastante entre os colegas, lembro que quando mais nova eu era reconhecida como um exemplo de liderança, posso dizer que talvez eu tenha desenvolvido um pouco de soberbosidade durante aquele tempo, mas, eu sempre conseguia estar em uma roda de colegas, estar inserida nos assuntos que geralmente tínhamos.

Isso mudou rápido.

Muito rápido.

Quando percebi, as pessoas não paravam mais de falar sobre suas postagens em redes sociais e conversas por aplicativos de mensagem, mesmo que eu tentasse – e tentei – não consegui acompanhar os tempos novos, como resposta eu comecei a ser deixada de lado por já não ser mais tão incluída assim nos assuntos dos jovens.

Eu não pertencia aquele novo mundo.

Me senti magoada, com um pouco de egoísmo comecei a acreditar que as pessoas estavam erradas, acreditando e seguindo coisas fúteis. Não havia nada de errado em acompanhar a tecnologia ou gostar dessas coisas.

Demorou para que eu percebesse, as pessoas, elas não estavam erradas.

Elas estavam.

Crescendo.

É normal as pessoas mudarem, em algum ponto, principalmente, durante a transição do fundamental para o ensino médio é quando as pessoas mais passam por transformação, em suas personalidades e interesses, eu não poderia esperar menos delas.

Eu fiquei para trás.

Já era tarde demais para voltar atrás – não era – eu não conseguiria me adaptar a nova era dos celulares.

“Aguente mais um pouco” Eu disse.

É, combina com o que o último ano me fazia sentir.

Mais um ano e eu poderia seguir com a minha vida longe dessa realidade, de alguma forma eu via isso como uma liberdade. Poder ser uma nova pessoa longe do ambiente onde as pessoas agora só viam a minha caricatura, uma representação ausente, estranha e sem amigos.

Alguém que ninguém sabe nada.

Onde mora.

Do que gosta.

Se gosta de algo.

Quando penso nisso acho que nunca deixei ninguém me conhecer de verdade, me pergunto o que elas pensavam que se passava dentro da minha cabeça quando tudo que eu fazia era apenas existir em silêncio.

Provavelmente elas pudessem presumir que eu tivesse alguns problemas psicológicos.

Não suspeito que eles existam.

Talvez o que ninguém soubesse, é que aquele seria o ano mais importante da minha vida.

Logo no primeiro dia de aula durante a ida até a escola, eu não consegui deixar de olhar para aquela mulher em especial. Tendo em suas mãos um pano meio encardido pelo uso, sendo utilizado de maneira cuidadosa para limpar o balcão de vidro refrigerado, quase como uma vitrine, deixando a mostra boa parte do cardápio de doces que o estabelecimento vendia.

Uma padaria que havia sido aberta recentemente.

Seus olhos eram lindos.

Seu formato.

Sua cor.

Eu nunca fui alguém de parar para apreciar algo que fosse bonito, mas dessa vez, eu não consegui deixar de olhar pelo menos duas vezes.

De maneira inocente.

Levou um tempo para perceber que eu só conseguia ver tão nitidamente seus olhos porque ela havia notado a minha presença do outro lado da rua, provavelmente a encarava um pouco boquiaberta. Por alguns longos segundos eu pude trocar olhares, melhor dizendo, me perder naquela pequena imensidão negra que eram os seus olhos.

Um sorriso.

Delicado.

Eu fui trazida de volta a realidade, um pouco de ansiedade me fazia perceber o que tinha feito, mas, mesmo assim eu não conseguia deixar de olhar para ela.

Parecia ser a única coisa certa que eu deveria fazer naquela situação.

Mas foi um equívoco.

Porque.

Eu me apaixonei.

Compartilhar: